terça-feira, 20 de outubro de 2009

Mestre Sant'Ana

Paulo Sant'Ana é uma figura e tanto...
Descrevê-lo não é uma tarefa fácil, tamanha é a inteligência deste grande jornalista, colunista e comentarista. O que pouca gente sabe é que Sant'Ana é formado em Direito, foi Inspetor e Delegado de Polícia, além de Vereador de Porto Alegre. Pra se ter uma idéia, o "cara" é colunista do jornal Zero Hora desde 1971! É muita credibilidade, não?
Todas as manhãs, a primeira coisa que faço ao ler o jornal é ir direto á sua coluna. Quando não está falando de futebol - diga-se que Sant'Ana é o gremista mais fervoroso e emblemático que eu conheço - ele escreve verdadeiras obras-primas, como esta que transcrevo logo abaixo, publicada no jornal Zero Hora de hoje!

CONTENTE-SE COM O QUE TEM

O negócio é o seguinte: é difícil, mas é também incrivelmente fácil, ser feliz.
Mais difícil vai ser eu explicar isso que escrevi acima.
Por exemplo, não pode ser feliz uma pessoa que tem 50 anos e viva dizendo que gostaria de voltar à idade de 30 anos.
Não pode ser feliz uma pessoa assim. No entanto, se esta ou qualquer pessoa contentarem-se com a idade que têm, serão felizes.
Até mesmo porque de que adianta não estar contente com a idade que se tem? Nenhuma força científica pode mudar a idade que a pessoa tem.

***

Pois bem, acabei prescrevendo aos meus leitores uma receita para ser feliz: estar satisfeito com a idade que tiver.

***

Quem é jovem não tem nada que estar desejando ser mais velho. Quem é velho comete uma imbecilidade julgando que não é feliz por não ser jovem.
A idade que a gente tem é a idade que a gente tem e... pronto. O negócio é fazer força para ser feliz com ela.
A gente tem de ter orgulho da idade que tem: o jovem por não ser velho e o velho por ter já sido jovem.

***

Uma vez dei de costados com uma sinagoga. Estava lotada de judeus e de curiosos. Ali na Barros Cassal.
Falava no palco um rabino.
E disse o rabino que o sonho do homem se resume em três coisas: ser rico, ser forte e ser sábio.
E continuou o rabino: o homem quer ser forte, mas pensa que ser forte é dominar os outros. Engana-se, ser forte é dominar-se a si próprio.

***

Prosseguiu o rabino: o homem quer ser sábio, mas imagina que ser sábio é abeberar-se da cultura dos livros, dos ensinamentos que os sábios nos legaram pela escrita. Quando, na verdade, ser sábio é outra coisa: ser sábio é aprender com cada pessoa que se encontra na vida.

***

E terminou o rabino: o homem quer ser rico, mas não sabe o homem que ser rico não é amealhar toda a riqueza, ganhar e juntar todo o dinheiro que se possa. Ser rico, acrescentou por fim o rabino, é contentar-se com o que se tem.
Esta é a sabedoria, este é o jeito de ser feliz: mostrar-se satisfeito com o que se possui. E não querer se tornar feliz desejando aquilo que não se conseguiu ou não se pode conseguir.
Venham por mim.

***

Sobre aquela coluna que escrevi a respeito de que sempre – ou quase sempre – recebemos o mal em pagamento do bem, que basta fazermos algo de bem para alguém para receber em troca o mal, colhi nas ruas uma frase esplendorosa: “Por que me odeias e agrides, se nunca te fiz nenhum favor?”.


É ou não é um mestre?????

Um comentário:

Rafael Kenai disse...

É, realmente foi uma ótima coluna e por conseqüência um ótimo post. Porém é estremante difícil ser tão compensatório assim. Extremamente difícil aceitar que algo dê errado, quando tínhamos em nossas mentes algo tão legal e tão divertido programado.

Acho que, é claro, que devemos sim usar da arte da compensatória para não vivermos infelizes por não ter/ser/conseguir o que queríamos, mas creio que isso seja apenas uma tática para não perdermos nosso tempo infelizes e podermos nos planejar para mudar aquilo que não nos agrada.

Eras isso. Abração.